O público-alvo da sua marca está nos apps de jogos. Ela também está?

O público-alvo da sua marca está nos apps de jogos. Ela também está?

Source: Exchangewire

O público-alvo da sua marca está nos apps de jogos. Ela também está?

 

Se sua marca ainda não está se conectada aos usuários de aplicativos de games, é melhor entrar nesse jogo! Em artigo exclusivo para o ExchangeWire, Alberto Pardo, CEO e fundador da Adsmovil, empresa especializada em publicidade para dispositivos móveis, e parceria exclusiva da AdColony na América Latina, comenta a importância de incentivar o engajamento desses jogadores com o conteúdo de sua marca por meio de diferentes formatos.

Você sabe se o público-alvo de sua marca tem o hábito de jogar por meio de aplicativos no smartphone? Provavelmente a resposta é sim, independentemente da faixa etária deste grupo. Isso porque, em média, mais de 90% dos brasileiros de até 64 anos de idade usam aplicativos de jogos diariamente. Desses, 49% jogam cinco ou mais vezes ao dia e 46% gastam uma hora ou mais do seu dia nesses aplicativos, de acordo com recente estudo realizado pela OnDevice e AdColony.

Caso ainda não esteja convencido de que esse formato de publicidade é um dos que mais podem atingir seu público de forma efetiva, dois dados podem alterar essa percepção. Entre os 100 apps mais baixados no Brasil, 62% são de jogos e 80% do faturamento global de aplicativos é da categoria Games. Nesse segmento, o mercado brasileiro é um dos mais importantes do mundo e ainda apresenta muito potencial de crescimento, uma vez que os brasileiros são fanáticos por games.

Para as marcas, não basta estar presente nos apps de jogos. Além de apresentarem um conteúdo atrativo, a estratégia de divulgação e de segmentação deve ser muito bem conduzida, a partir do uso adequado de dados, e contar com tecnologias que elevem a qualidade do anúncio, sem depender do tipo de conexão ou da velocidade da internet do usuário. Soluções de publicidade em vídeo com tecnologia “pré-cache”, que garantem a exibição dos anúncios com alta definição em qualquer situação, são essenciais, visto que apenas um segundo de atraso no carregamento da peça pode causar uma redução de 7% nas conversões.

PyMPregunta sobre la publicidad móvil en Colombia

 

Mais do que exibir seu vídeo para o usuário, permita e incentive que ele interaja com o seu conteúdo por meio de diferentes formatos, como visão 360º, carrossel, 3D, panorâmica e quiz. Eles costumam trazer bons resultados para as campanhas. Oferecer uma experiência mais rica para quem assiste aos vídeos até o final também é uma boa alternativa. Os “Branded End Cards” permitem ao usuário explorar mais do que as marcas estão oferecendo. Botões de call to action também são efetivos, pois quando há um interesse pelo anúncio, as chances de a pessoa clicar em “veja mais” ou “compre aqui”, por exemplo, são maiores.

Há ainda quem imagine que as pessoas não gostam de ser impactadas por anúncios de nenhum gênero pelo celular, mas isso é um engano. O que elas não querem é ser impactadas por anúncios que não sejam aderentes ao seu perfil, prova disso é que 66% gostam de anúncios que sejam amigáveis e que vão ao encontro de seus interesses, segundo pesquisa realizada pelo HubSpot.

Os formatos de vídeos “user-initiaded” são os preferidos da audiência e alcançam aproximadamente 70% de receptividade positiva entre os usuários, além de gerarem uma taxa de engajamento médio superior a 10% em relação aos demais. Já os formatos auto-play têm o efeito inverso, com 70% do público os percebendo como uma publicidade negativa.

Abaixo, apresento outros dados da pesquisa realizada pela OnDevice e AdColony:

  • nos últimos dois anos o crescimento da indústria de games mobile foi impressionante, ultrapassando a evolução das indústrias globais de entretenimento, música e filme. Apenas em 2017, US$ 58.7 bilhões foram investidos no segmento de jogos mobile;
  • os usuários passam, em média, entre 20 e 40 minutos por dia em aplicativos de jogos;
  • entre os aplicativos, a categoria de games é a que possui as sessões mais longas, revelando que os usuários não entram e saem a todo instante, investindo longos períodos nestes apps;
  • cada sessão dura 5.3 minutos, em média, o que pode significar que apenas cerca de 10% da experiência do usuário é preenchida pela publicidade;
  • cerca de 88% do público fã de games afirma que o local preferido para jogar é a própria casa e 70% deles se consideram felizes enquanto estão jogando em dispositivos móveis. Ou seja, não é apenas uma questão de duração, mas também da qualidade deste tempo, o que permite que a publicidade mobile impacte esse público em um momento de atenção, porém em um estado de relaxamento.

    Os dados reforçam a necessidade de olhar com atenção às audiências de jogos mobile. O melhor é as marcas entrarem nesse jogo, ou Game Over!

    Source: Exchangewire